Este Portal utiliza a tecnologia de cookies para melhorar sua experiência de navegação.

Para maiores informações, acesse nossa página de Política de Privacidade.

Aviação

ANAC deverá regulamentar transporte de coelhos de estimação em cabines de aeronaves comerciais

28 de setembro de 2021 - 16:22
Este navegador não suporta o leitor de texto.
montagem fotográfica mostrando um coelho observando pela janela de uma aeronave
JFPR no Facebook
JFPR no Twitter
JFPR no Whats

A decisão da juíza federal da 6ª Vara de Curitiba, Vera Lúcia Feil Ponciano, foi proferida em Ação Civil Pública proposta por ONG Sou Amigo e GAC – Grupo de Apoio aos Coelhos, que requereram a concessão de tutela antecipatória para que a ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil –  incluísse também os “coelhos” na Resolução que regulamenta o transporte aéreo de animais no Brasil. Com isso, as empresas aéreas deveriam permitir e operacionalizar o embarque de tais espécies na cabine da aeronave, juntamente com os humanos tutores, ao invés de serem transportados os animais no porão de carga.

Na visão dos autores a regulamentação da ANAC representou retrocesso ambiental ao restringir a definição de animais domésticos considerando como tais apenas cães e gatos, excluindo outras espécies e em especial, neste caso, os coelhos. Dessa forma, ao tempo em que liberou o embarque de cães e gatos nas cabines, restringiu o transporte de outros animais ao porão de carga das aeronaves, onde não teriam quaisquer condições de segurança e de saúde. Além disso, tal normatização afrontaria a competência e a classificação do IBAMA, ignorando serem os coelhos animais domésticos, dóceis, de pequeno porte, silenciosos, facilmente transportáveis e não serem transmissores de qualquer doença aos seres humanos.

A ANAC refutou as alegações, esclarecendo que a regulação das Condições Gerais de Transporte Aéreo estabelece que o transportador aéreo tem a prerrogativa para avaliar acerca das formas de admissão e transporte de animais, em razão da obrigação de cumprir os requisitos relacionados à segurança operacional da aviação civil, e outras normas atinentes ao transporte de animais expedidas por autoridades competentes. Também o transportador deve observar a própria política de negócios da operadora aérea. Aduziu que as tais Condições Gerais não apresentam óbice, em tese, ao transporte de coelhos na cabine da aeronave, o qual pode ser feito. Afirmou que não existem reclamações sobre o transporte de coelhos, sendo possível o transporte desde que observados os requisitos relacionados à segurança operacional da aviação civil.

Reconheceu a juíza a presença dos requisitos à tutela de emergência, bem como a legitimidade dos autores para pleitear em juízo tutela aos direitos dos animais, bem como a correção de seu manejo por intermédio da Ação Civil Pública. Apesar de admitir ainda incipiente no Brasil a matéria de Direito dos Animais, Ponciano compilou textos doutrinários e decisões jurisprudências acerca da questão, destacando seu paulatino aumento com o passar do tempo, diante da importância da matéria.

Em sua decisão, a magistrada asseverou que “mediante pesquisa de casos julgados, infere-se que está havendo recusa das companhias aéreas em permitir o transporte de coelhos na cabine”. Nas jurisprudências colacionadas, todas foram unânimes em garantir o embarque na cabine aos coelhos transportados por seus tutores. Destacou a juíza que deve ser permitido o transporte dos coelhos na cabine da aeronave, pois eles são animais domésticos, conforme a Portaria do IBAMA nº 93/1998, e possuem tamanhos muito menores do que pode apresentar um cachorro, por exemplo, e não emitem qualquer tipo de ruídos ou som capaz de perturbar outros passageiros, diferentemente dos cães e gatos. Inclusive, podem ocorrer situações em que esse animal tenha a função de suporte emocional para uma pessoa com enfermidade física ou mental.

Salientou a magistrada que: “A realidade demonstra que as companhias aéreas não permitirão o transporte de coelhos na cabine em caso de ausência de regulamentação da questão pela ANAC. No entanto, é necessário disciplinar o assunto, pois os coelhos merecem proteção no sentido de usufruírem de um transporte mais adequado, pois são criaturas frágeis e podem sofrer sérios danos no transporte pelo modo costumeiro. Assim, com os devidos cuidados e observando-se as regras de segurança, é cabível que se permita o transporte de coelhos na cabine também”.

Ao final, concluiu que: “está presente a probabilidade do direito invocado, cabendo o deferimento do pedido de tutela de urgência para o fim de determinar à ANAC que expeça a regulamentação necessária para permitir o transporte de coelhos na cabine da aeronave, observados os requisitos relacionados à segurança das pessoas e do animal, bem como operacional da aviação civil”, e fixou o prazo de 30 dias para a necessária regulamentação da ANAC, acerca da liberação do embarque de coelhos nas cabines dos voos.

 AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 5045589-92.2021.4.04.7000/PR

Tópicos relacionados

Outras notícias

Todas as notícias
JFPR no Facebook (link externo) JFPR no Twitter (link externo) JFPR no Flicker (link externo)  JFPR no Youtube (link externo) JFPR no Instagram (link externo)

Aplicativos Eproc

Loja Google Play Loja App Store
www.jfpr.jus.br