CUMPRIMENTO DE PENA

JF de Maringá determina medidas alternativas para cumprimento de pena em meio à pandemia

13 de abril de 2021 - 13:03
Este navegador não suporta o leitor de texto.
JFPR no Facebook
JFPR no Twitter
JFPR no Whats

A Justiça Federal de Maringá acolheu pedido apresentado pelo Departamento Penitenciário (DEPEN) para que apenados realizem atividades alternativas para cumprimento de prestação de serviço à comunidade (PSC) durante a pandemia. O pedido foi realizado por meio do Escritório Social da cidade e acolhido pelos juízes federais Cristiano Aurélio Manfrim e Sócrates Hopka Herrerias da 3ª Vara Federal de Maringá.

Até o fim do ano, os condenados que precisam pagar suas penas com serviços à comunidade podem optar por doar sangue, participar de grupos reflexivos ou de atividades que envolvam estudo ou leitura. A execução de uma dessas tarefas equivalerá ao cumprimento de 60h (sessenta) horas de prestação de serviços.

O pedido encaminhado à JF segue as orientações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para que medidas preventivas à propagação da infecção pelo novo coronavírus sejam implantadas no âmbito dos sistemas de justiça penal e socioeducativo. “O CNJ aconselhou a suspensão temporária do dever de apresentação regular em juízo das pessoas em cumprimento de pena no regime aberto, prisão domiciliar, penas restritivas de direitos, suspensão da execução da pena (sursis) e livramento condicional, até o fim de 2021”, explica Cristiano Aurélio Manfrim. 

“As recomendações têm como finalidades a proteção da vida e da saúde das pessoas privadas de liberdade, dos magistrados, e de todos os servidores e agentes públicos que integram o sistema de justiça penal, prisional e socioeducativo, além da garantia da continuidade da prestação jurisdicional”, complementa Sócrates Hopka Herrerias.

A proposta para que os apenados participem desses projetos está de acordo com a dificuldade gerada pela pandemia de encaminhar os apenados ao cumprimento da pena de prestação de serviços, sugerindo a responsabilização deles por ações que têm, de forma geral, objetivos reflexivos, educativos e de incentivo à educação, com potencial de contribuir para o seu crescimento. “Não fosse o atual estado de coisas, muitos apenados já teriam concluído o cumprimento de suas reprimendas, prestando até o máximo de 60h (sessenta horas) mensais de serviços comunitários”, esclarece o titular da Vara Federal, Cristiano Manfrim. 

As ações deverão ser implementadas, direcionadas e fiscalizadas pelo Escritório Social em Maringá-PR, responsável por selecionar o apenado/interessado, e não se aplicam às pessoas condenadas por crimes previstos na Lei nº 12.850/2013 (organização criminosa), na Lei nº 9.613/1998 (lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores), contra a administração pública (artigos 312 a 326 do Código Penal), por crimes hediondos ou por crimes de violência doméstica contra a mulher. 

Ficou definido também que, em princípio, as ações de responsabilização alternativa à prestação de serviços são aplicáveis somente aos processos de competência originária da 3ª Vara Federal de Maringá.

Tópicos relacionados

Outras notícias

Todas as notícias
JFPR no Facebook JFPR no Twitter JFPR no Flicker  JFPR no Youtube

Aplicativos Eproc

Loja Google Play Loja App Store
www.jfpr.jus.br