Este Portal utiliza a tecnologia de cookies para melhorar sua experiência de navegação.

Para maiores informações, acesse nossa página de Política de Privacidade.

DECISÃO

Justiça Federal nega tutela antecipada para suspender novas linhas da Expresso Nordeste

19 de março de 2021 - 13:49
Este navegador não suporta o leitor de texto.
JFPR no Facebook
JFPR no Twitter
JFPR no Whats

Em decisão proferida no último dia 11, a Juíza Federal Vera Lúcia Feil Ponciano, da 6ª Vara Federal de Curitiba, negou tutela de urgência requerida pelas empresas Viação Cometa S/A, Auto Viação Catarinense S/A e Auto Viação 1001 Ltda., contra a União, a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terresrres) e a empresa Nordeste Transportes Ltda. As autoras pretendiam a suspensão da autorização fornecida pela ANTT para que a empresa Nordeste passasse a operar novas linhas regulares.

Como fundamento do pedido, as autoras alegaram que a autorização concedida pela ANTT violou regra de observância da ordem cronológica na apreciação de pedidos, além de ter deixado de considerar as razões apresentadas nas impugnações e sem o devido estudo de viabilidade operacional para apurar o impacto da interferência entre as novas operações e as já existentes. Afirmaram ainda que a concessão de linhas a novos operadores sem a prévia verificação do impacto causado pela sua distribuição causará sobreposição de linhas em condições que equivaleriam à concorrência ruinosa do sistema.

Na decisão que denegou a tutela, a magistrada decidiu preliminarmente pela ilegitimidade passiva da União: “a ANTT goza de independência administrativa e autonomia financeira e funcional, sendo dotada de personalidade jurídica própria, motivos pelos quais a União não possui interferência na imposição nos atos que são impugnados nesta ação, e o resultado da demanda não afetará o seu patrimônio (econômico e jurídico). Os atos foram praticados apenas pela ANTT”, destacou Ponciano.

Quanto à alegada urgência para a tutela jurisdicional, a julgadora não vislumbrou perigo de ocorrência de dano atual grave e irreparável ou de difícil reparação: “Não há prova de que a parte autora não possa suportar economicamente eventual ônus objeto da demanda, e que tal possa inviabilizar ou dificultar consideravelmente a continuidade da sua atividade econômica. A mera presunção dos prejuízos não é suficiente a autorizar a concessão da ordem de urgência. Apenas a indicação de prejuízos concretos, atuais ou iminentes, pode isso acarretar.

Assim, para justificar o caráter excepcional da decisão, o perigo de dano deve ser irreparável ou de difícil reparação.”. Apesar de reconhecer a possibilidade das autoras sofrerem prejuízos pela concorrência com a ativação das linhas pela empresa Nordeste, a magistrada asseverou que esse prejuízo não teria potencial de causar danos irreparáveis ou de difícil reparação para a continuação das atividades das autoras. Com a denegação da tutela de urgência, o processo segue sua tramitação com a intimação das partes para especificarem as provas que pretendem produzir.

Procedimento Comum nº 5047521-52.2020.4.04.7000

Tópicos relacionados

Outras notícias

Todas as notícias
JFPR no Facebook (link externo) JFPR no Twitter (link externo) JFPR no Flicker (link externo)  JFPR no Youtube (link externo) JFPR no Instagram (link externo)

Aplicativos Eproc

Loja Google Play Loja App Store
www.jfpr.jus.br